sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Diz

Não, não tenho o que dizer, é inútil dizer, anyway
O que queres que eu diga?
Que ainda tenho algo a dizer?
Que ainda restam-nos palavras?
Para quê? Diz! Para quê?
Se tudo o que eu não sei tu sabes de cor (ou dizes)
¡Dile!
Então?
Não! Deixa-nos!
Esquece! Cala-te!
Espera, eu me calo...
De novo a exaltação...
Perdoa-me! Não queria,
Nunca quero!
Não deixo de ser o que sou,
E tu, sempre assim..
Não precisa dizer.
Não digo mais nada.

sábado, 12 de maio de 2012

V - Há metafísica bastante em não pensar em nada

“Há metafísica bastante em não pensar em nada.

O que penso eu do mundo?
Sei lá o que penso do mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.

Que idéia tenho eu das cousas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo?
Não sei. Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os poetas
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa.

Não é como certas pessoas
Que têm a consciência limpa
Porque nunca a usaram.”

Alberto Caeiro
(em Ficções do Interlúdio, parte de O Guardador de Rebanhos)

segunda-feira, 7 de maio de 2012

passado

poder ver
você
menina
brincando de coisa inocente correndo gritando chorando-mentindo
seria tão interessante e bonito
eu morreria

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Moonrise Kingdom

O novo filme de Wes Anderson está pertíssimo. E eu estou ansioso. Por que? Porque ele fez Os excêntricos Tenenbauns, fez Rushmore, Fantástico Mr. Fox, e também A vida marinha com Steve Zissou, mas, sobretudo, ele fez The Darjeeling Limited, filme que sou – sem viadagem – apaixonado. Wes Anderson tem um jeito único de filmar e de contar história que não posso explicar aqui.. vejam quaisquer dois filmes dele que entenderão o que quero dizer.

Quando vi The Darjeeling, tive um baque cinematográfico similar ao que tive quando vi, pela primeira vez, Reservoir Dogs de Tarantino. Sabe quando você assiste a algo que é totalmente diferente de tudo que você havia assistido até então e percebe, em um determinado frame, que existe todo um outro universo (às vezes melhor) de linguagem de cinema? Bom, poucas vezes tive esse “baque”, menos do que gostaria.. mas certamente aquele filme foi um dos que trouxeram-me esse sentimento. E consequentemente, passei a conhecer a filmografia daquele diretor/escritor americano, a adorá-la/o, e tudo isso que acabei dizendo é o que causa a minha ansiedade/empolgação.

Não gosto de saber sinopses (porque tenho medo delas), então restrinjo-nos a saber – pelo que notei cerrando os olhos no imdb – que Moonrise Kingdom se passa nos anos 60, tem escoteiros, tem romance entre crianças, o que promete ser fofo, e tem Edward Norton, Bill Murray (claro), Bruce Willis, Tilda Swinton, Harvey Keitel e Jason Schwartzman (claro), entre outros. Enfim, confira por você mesmo o trailer fodástico no final do post.

Será lançado em 16/05 no festival de Cannes (quem dera eu pudesse ver lá) e comercialmente em 25/05 nos EUA. O que, pensando melhor agora, não o deixa tão perto como eu havia dito.. cê lá vi!

Moonrise-Kingdo-poster2

Poster-Edward-Norton-17Abr2012

Poster-Jared-Gilman-17Abr2012

Poster-Jason-Schwartzman-17Abr2012

Poster-Kara-Hayward-17Abr2012

(Tudo isso porque eu fui ler a notícia de que tinha saído um pôster novo do filme.. eita..)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Top 10 álbuns de 2010

Só foi no final de quando estava fazendo esta lista que reparei a agradável peculiariedade de todos os álbuns serem de artistas brasileiros (sobretudo brasileiras).. surpreso, achei que havia esquecido completamente de incluir os gringos; mas depois de consultar o last.fm, comprovei que dos trabalhos daquele ano realmente os nacionais preponderam nas coisas que escutei. Muito porque recentemente, no campo internacional, fiquei restrito à revisão de coisas mais antigas, como Koola Lobitos (primeira banda do Fela Kuti), Anita O´Day e o sensacional Raising Sand de Robert Plant & Alison Krauss, eis porque eu talvez tenha negligenciado – confesso – lançamentos teoricamente relevantes (a mim, digo) de 2010, principalmente o falado The Suburbs de Arcade Fire e The Drums de The Drums. Enfim, desculpas à parte, o importante é que a MPB nova geração está dominando, finalmente, o mercado fonográfico (ou não) (eu acho), digamos só então que está ganhando cada vez mais seu merecido espaço (o meu, pelo menos), o que fica claro no Top 2011 por vir. Sem mais enrolação, a lista dos 10 melhores álbuns de 2010 que ouvi: 
10
Escucha: #4 – Dons ton lle
#6 – Não tema
#9 – Flor vermelha
9
Escucha: #3 - Rinha (já ouviu falar?)
#6 - Então toma
#8 - Rua Augusta
8
Escucha: #2 - Por Aí
#3 - Embrace My Heart And Atay
#6 - Drop The Bombs
7
Escucha: #6 - 1:54
#5 - É só uma impressão, meu bem
#10 - Por certa vez
[Adendo: recomendação de Laís Vinhas] #11 - A gente ainda pode ir pro bar (música que como ela mesmo disse "é uma das que mais gosto de ouvir no carro.. hihihi")

6
Escucha: #1 – Efêmera
#4 – Pedrinho
#7 – Brocal Dourado
[Adendo: recomendações de Laís Vinhas] #9 - Às vezes e #11 Só sei dançar com você
5
Escucha: #1 – Não consigo
#2 – Me sara
#6 – Aquele cara
4
Escucha: #1 – Não se vá
#3 – Forasteiro
#6 – Fuga nº1
3
Escucha: #3 – Prédio
#4 – Maria Augusta
#7 – Nescafé
2
Escucha: #2 – Fiu Fiu
#5 Vê se fica bem
#7 – As palavras
[Adendo: recomendação de Laís Vinhas] #8 - Bicicletas, bolos e outras alegrias
1
Escucha: #6 – Pra sonhar
#10 – Tempestade
#13 – Feito pra acabar
## – Todas
Quase entraram (menção honrosa):
Eu Menti Pra Você - Karina Buhr
Estática - Marcos Valle
Diminuto - Carlinhos Brown
Do Amor - Do Amor
Marina de La Riva Ao Vivo - Marina de La Riva

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Coração


Coração,
Arrebata-me
Leva-me
Tira-me com violência
Priva-me de mim
Arranca-me dessa tumbice que sou
Tem-me irascível
(Mesmo que a palavra seja difícil)
Mas fala, grita, esbraveja
Cala-me a boca
Pra que tudo que eu deseje
Seja sua força
Mesmo à força

sábado, 27 de agosto de 2011

Álbuns que terminam com lullabies

Já há algum tempo eu havia notado, nos CDs que “possuo”, que vários deles têm uma lullaby, ou canção de ninar, e, curiosamente, as lullabies desses álbuns estão sempre na última faixa do disco. Tomado pelo desejo de fazer uma lista disso, segue, então, alguns dos exemplos que aprecio mais. Caso alguém tenha/lembre de outros, por favor, passe-me nos comentários.

Construção – Chico Buarque (1971)

construcao #10: Acalanto (1:38)


Cantar – Gal Costa (1974)

1974_cantar #11: Chululu (0:57)

Weathered – Creed (2001)

Creed Weathered #11: Lullaby (3:06)

Qualquer coisa – Caetano Veloso (1975)

Qualquer Coisa #12: Nicinha (0:46)


Rejoicing In the Hands – Devendra Banhart (2004)

front

#16: Autumn's Child (2:40)

Infinito Particular – Marisa Monte (2006)

infinito_particular

#13 Pelo tempo que durar (3:27)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Oremos

Estudantes, operadores, juristas, colegas advogados:

Orai por nosso falido Código de Processo Penal, que de tanto ir mal das pernas, já não se sustenta mais, nem agüenta aqueles que ofendem ou aqueles que são ofendidos.

E orai, sobretudo, amigos, pelo Inquérito Policial, para que este enfim encontre seu merecido descanso eterno, e reste só como mais uma de nossas mazelas históricas.

(Juntos:)

Ó, Pai, também pedimos pelos escrivães: cuida deles, Senhor.

Fazei deles doutores em paciência. E principalmente para aqueles lotados em delegacias de polícia, trazei-lhes sua luz, meu Pai.

Pedimos, pois que é de direito. Senhor, escutai a nossa prece.